Como nunca sei onde comer bem nesta zona do país onde vivo nem, a bem dizer, fora dela, resolvi pôr neste blogue, na parte das hortas, já que não tenho actualizado devidamente esse lado da minha personalidade e que comer é a razão para cultivar hortas (excelente ligação, como é que se faz um bonequinho redondinho com um sorriso amarelo, só com caracteres do teclado?…), dizia eu que resolvi pôr aqui os nomes dos restaurantes onde comi supimpamente (já sei, é um brasileirismo e esta frase está tão enrolada que me cheira que ando a ler um admirador do Camilo…).

Ora, duas das últimas casas de pasto que me recomendo a repetir têm o mesmo nome: “Buraco” (com ou sem artigo definido, não me lembro). Um no Porto, ali perto do Siloauto, escondido tão bem por trás de uma paragem de autocarro que nunca tinha dado por ele se não fosse a E.  Recomendo as entradas: rissóis de bacalhau. Da próxima vez só quero entradas e tintol.

O segundo “Buraco” é em Aveiro city e fica tão perto da capela de onde os aveirenses atiram cavacas à multidão na noite de São Gonçalo que é possível ver, projectadas nas paredes, as sombras das redes das gentes que procuram apanhar cavacas (vá-se lá saber porquê…). Come-se bem tudo, pareceu-me. Que eu só comi bacalhau com natas, mas a carne de porco à alentejana estava com um aspecto divino, só que muito afastada do meu lado da mesa, malheuresement. Em Aveiro já comi muito bem mais vezes, mas eu e os nomes das coisas…

Na semana passada, na Taberna do Lavrador, em Cambra, Vouzela, tive um êxtase místico, qual santa teresinha, de volta de um prato chamado muito prosaicamente feijão com couves, mas que era na verdade um cozido à portuguesa sem batatas e com feijões. Para êxtases idênticos com pratos afins recomendo o único restaurante de que me lembro o nome sem esforço: restaurante Jardim, na localidade de Peso (ou Penso?), quem vai ou vem pela estrada velha para as termas de Melgaço.

Ah, também havia o restaurante Chorar por Mais, do Sr. Fernando, no piso de baixo do horrível Cristal Park, frente ao Museu Soares dos Reis, no Porto! Abandonámos o Porto e entretanto o Sr. Fernando fechou portas. Se alguém souber onde as reabriu, é favor dizer aqui, na caixa de comentários, que eu não sei comer sem ele.

Também se dão alvíssaras (virtuais)  a sugestões de bons restaurantes perto do teatro Viriato, Viseu. E agora vou jantar. Bom apetite! Obrigada!

Anúncios