“A União Europeia é uma das regiões mais prósperas do mundo e, no entanto, a pobreza continua a ser uma realidade diária para quase oitenta milhões de pessoas.” isto dito no Público de ontem pela jornalista Andreia Sanches (que espero não seja precária).

Ora, cara Andreia, discordo de si. Para mim uma sociedade com 80 milhões de pobres, isto é, oitenta milhões de  pessoas exactamente iguais a si e a mim, oitenta milhões de andreias e marias que não têm as suas necessidades básicas supridas, não pode nunca ser considerada próspera. Eu diria mais: é uma sociedade bem fracassada. Conseguiu organizar-se para que a maioria dos seus cidadãos tenha cinco vezes mais do que precisa e não é capaz de garantir uma coisa bem mais simples: que todos tenham o essencial.  Compreendo a pobreza num país em que todos, ou quase, são pobres, não a compreendo nem a aceito quando há dinheiro a jorros. Acredito que o primeiro dever de uma sociedade e dos seus governantes é cuidar bem de todos os seus membros e quando isto não é possível, como se vê nas nossas magníficas sociedades desenvolvidas, então a sociedade está a falhar.

Anúncios