um dos crimes mais bárbaros e despropositados do Estado Novo

Lourosa, 14/10/1964. A GNR , chamada pela Igreja Católica, mata duas mulheres, de 17 e 21 anos, uma delas grávida e armada… da vontade de ir a casa fazer “o comer”, e fere umas poucas. Estas e outras perigosas mulheres estavam a fazer uma vigília para que a hierarquia religiosa não lhes roubasse o padre novo que, não sendo do “reviralho”,  não levava dinheiro aos paroquianos que pouco tinham. Muitas delas usaram outras armas (guarda-chuvas) para ameaçar a dita hierarquia. Disto não se falou, evidentemente, no tempo do botas e, inexplicavelemente, nada se disse depois dos cravos. Hoje em dia, os que têm memória, preferem também não falar do assunto. Que estranha gente, a nossa.

Anúncios